Últimas Crónicas

Deves pensar que eu sou a Cinderela

loading...

Catarina e o seu querido João namoravam há dez anos e estavam casados há três. Ele trabalhava numa empresa de informática, ela recepcionista num hotel. Tinham uma relação perfeita, daquelas que vemos no facebook a toda a hora, amo-te para aqui, não vivo sem ti para acolá, fotos dos dois juntos, tudo o que faziam era postado no facetolos para que todos pudessem constatar como o amor é lindo! Ambas as famílias davam-se muito bem, viviam numa boa casa, um bom carro para os dois, até um cão tinham adotado…lindo, uma vida perfeita…até ao dia em que a Catarina acordou e disse: Foda-se, estou farta desta merda! Não sou a puta da Cinderela! Claro que não colocou isso na sua pagina do facebook, não podia descurar a sua reputação de gaja maravilhosamente feliz.

Nessa linda manhã de sol, enquanto o João dormia, Catarina abriu a gaveta ao lado da cama e tirou um pequeno papel, papel esse que ambos tinham escrito no inicio da relação, escreveram os objectivos e sonhos que ambos queriam concretizar, basicamente, uma merda cheia de pirosices que se escreve quando se está apaixonado mas que, só se volta a ler quando a relação já está por um fio, para relembrarem os bons tempos em que ainda suportavam estarem perto um do outro, Catarina pegou numa caneta e, ao lado dos sonhos escreveu as realidades da vida matrimonial. Seguidamente, acordou o João.

Estavam ambos sentados na cama, outrora suada de orgasmos e cigarros pós-coital, agora pareciam dois penicos estáticos e vazios.

João, tenho comigo a lista dos nossos sonhos, que escrevemos há cem anos atrás e, através deste papel talvez te consiga transmitir o que me vai na alma…

Sonhos

  1. Estarmos sempre apaixonados
  2. Sorrirmos sempre um para o outro
  3. Fazermos amor todos os dias
  4. Gostar sempre de sexo oral e anal
  5. Sermos estupidamente românticos
  6. Bons empregos
  7. Noivado
  8. Carro
  9. Casa
  10. Casamento
  11. Viajar pelo Mundo – primeiro destino: Brasil
  12. Primeiro filho
  13. Segundo filho
  14. Envelhecermos juntos! 14, o nosso numero da sorte!

Realidade esmagadora de sonhos

  1. A paixão é um mito, percebi isso depois de dez anos a dar quecas só contigo.
  2. Sorrir? Acho que não te vejo os dentes há mais de uma semana…
  3. Outro mito! O único amor que eu faço diariamente é com as tuas marmitas, a preparar as refeições para levares para o trabalho.
  4. Oral e anal? Pois…já nem sei qual o caminho para chegar aí.
  5. Tenho a jarra, faltam sempre as flores…mas obrigada pelo aspirador, maquina de café, ferro e maquina de lavar loiça!
  6. Sim, temos bons empregos, eu a tentar inspirar turistas ricos e velhos, enquanto lhes impinjo mais um programa, tu a programares conteúdos, enquanto espreitas o site pornográfico: Mamas ao acaso. Sim, esqueceste-te de apagar o histórico no teu computador…
  7. Fica já a saber que vou vender o anel de noivado, os solitários já não se usam.
  8. Perdi a vontade em ter sexo no carro quando me disseste que, tinhas medo de sujar os bancos, que o carro era novo…
  9. Nem imaginas as vezes que desejei a tua morte só para ter a casa paga.
  10. O melhor do nosso casamento? Sem duvida, o teu padrinho, o teu amigo jeitoso, cuja visão de um “ménage à trois” me surgiu assim que o vi de fato.
  11. Lembras-te da musica: Já fui ao Brasil, Praia e Bissau, Angola, Moçambique? Decididamente não é a nossa musica.

Os restantes itens não vamos cumprir, pior que não termos a noção que já não vale a pena, é acharmos que ter filhos vai resolver os problemas e unir um casal, tretas que lemos num livro do Gustavo Santos, num dos cinquenta que ele já publicou…achaste tu que eu era a Cinderela, que enquanto limpava o chão que sujas, cozinhava para ti e cosia as tuas peúgas, esperava que me trouxesses o sapatinho de cristal, tarde e a más horas, qual príncipe encantado, qual quê. Deves pensar que eu sou a Cinderela mas deixa-me dizer-te, eu sou mais a Arlequina. 

“Há homens que têm patroa. Há homens que têm mulher. E há mulheres que escolhem o que querem ser.”

Martha Medeiros

 

 

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Crónicas Mais Lidas

loading...
To Top