Últimas Crónicas

Quando Uma Emigra Vai à Terra

loading...

  Talvez os leitores que me acompanham tenham notado que, na semana passada, me “baldei” à crónica. Pois é, o motivo é simples. Eis que passados quase 16 meses sem ir a Portugal, decidi aproveitar o aniversário da minha mamã para ir à terra. Tirei uma semaninha de férias para usufruir plenamente de tudo a que tinha direito. Basicamente a agenda estava cheia, de tal forma que tive de fazer um calendário para me orientar. Almocei com colegas de trabalho, lanchei com familiares, jantei com amigos de coração e aproveitei para também jantar com amigos que não via há mais de 20 anos! Reencontrei colegas de ciclo e relembrei o passado entre sorrisos e gargalhadas que me provocaram ataques de asma! Diverti-me à grande, portanto.

  A sensação de não ter nada para fazer já me é estranha. Sentada no avião penso “Epá, agora que estou aqui tenho tempo de sobra para escrever” – A cabeça já estava a fervilhar inspirada pelo algodão celestial que via pela janela. – “Ena, tantas coisas sobre as quais quero escrever… Porra… não trouxe nem caneta nem papel… Bela escritora que me saíste!” A verdade é que estou tão no registo de ter sempre mil coisas para fazer que nem me ocorreu que o avião seria o ideal para escrever logo umas quatro crónicas. Como não gosto de falar com estranhos (na verdade nem me ocorreu que podia pedir papel e caneta à malta da tripulação) acabei por fazer algo que há muito não fazia… ouvir a minha setlist de música pra meditar. Se já estava nas nuvens, fiquei logo Zen.

   Porém, quando aterrei, o estado Zen começou a esvanecer-se. Depois de 20 minutos a caminhar pelo aeroporto e mais 10 para recolher a mala, eis que abro logo a pestana ao chegar à rua. O que é que encontro enquanto espero que a minha irmã de coração chegue? Pois é… Taxistas VS Uber! Ao princípio julguei ser uma batida de carro, dado o amontoado de gente mas, rapidamente percebi que não era. Entre gritos, alvoroço e estrada cortada pelo amontoado de gente, subitamente começo a sentir o meu coração bater rapidamente quando percebo que a situação pode ficar fora de controlo. Os agentes da autoridade não eram muitos e os taxistas estavam, digamos que, exaltados… Para além de ver um taxista baixar o vidro para se dirigir a um moço que aguardava no carro por alguém (Uber ou não Uber…não sei) proferindo palavras aconchegantes que terminaram com um grande “oh filha da p***!”, vi também outros correrem em direção a um sujeito que recolhia turistas, enquanto mostrava ao Sr. Taxista uma folha de papel entre mãos trémulas. Os ânimos estavam ao rubro e o Sr. Taxista teve de ser “encostado” pelo agente da autoridade. Parecia uma caça à bruxa e eu só pensava “Ai, queres ver que quando a P. chegar se atiram a ela também?”. Claro está que ela chegou e saiu do carro e abraçámo-nos logo (só naquela do a gente conhece-se, ela não é Uber) enquanto lhe digo ao ouvido “rápido, baza, baza que eles estão loucos!” O resto do trajeto foi o habitual da 2ª Circular com um carro capotado e a tradicional fila de trânsito de quem gosta de dar orçamentos.

  Confesso que já não estava acostumada às constantes buzinadelas contra carros e transeuntes, frequentes ocorrências com polícias à mistura, acidentes diários na 2ª circular e CREL, monovolumes roubados à porta de casa, mães que matam as próprias filhas, mães que omitem o homicídio do próprio filho e até mesmo senhores que matam a sogra à paulada…

  Não vou dizer que Espanha ou Barcelona são perfeitos, que não existem crimes, acidentes e violência mas a verdade é que a energia desta cidade e das pessoas é completamente diferente. Em Madrid, por exemplo, não me senti como sinto aqui. Se calhar aconteceria o mesmo se estivesse no Porto e não em Lisboa… O meu pensamento enquanto via e ouvia o que me rodeava era “mas está tudo louco?”. Parecia que o fim do mundo se aproximava… pensamento reforçado pelo temporal, pois tive imenso azar com o tempo. Muito frio, vento e chuva!

  A minha estadia foi um grande misto de emoções. Se por um lado estava feliz por estar com aqueles que amo e estimo, por outro, a cidade e o país em si não me dizem nada. Não me identifico, não me sinto em casa. Às vezes dava por mim a pensar que queria voltar para casa, para perto do D. e dos meus patudos. Diariamente pedia ao D. fotos dos meus meninos e via as suas fotos e vídeos no telemóvel para matar saudades. Voltar a casa, dormir no meu antigo quarto, ouvir a porta da casa do lado abrir e fechar e pensar por um milésimo de segundo “o avô chegou…”Ele já não vivia ali antes de partir, tinha vendido a casa e arrendado outra mas o abrir daquela porta, ouvi-a por mais de 25 anos, fez-me regressar ao passado. Vi muitas lojas que fecharam, outras novas que abriram. Tanta coisa que mudou e tantas outras que se mantêm estagnadas no tempo, como estar com a minha mamã numa esplanada a apanhar sol como perfeitas lagartixas que somos (sim, porque ainda consegui apanhar uns dias de sol também, não foi só temporal).

  Quiça depois de partilhar os meus pensamentos o meu número de leitores reduza (de 5 para 2) mas é o meu ponto de vista, a minha visão e o modo como assimilo cada regresso. Não sou antinacionalista nem pouco patriota mas há muito que acho que Portugal precisa mudar, para o seu próprio bem. É triste sentir-me mais em casa e mais feliz num país que não me viu nascer. Sou do tempo em que ao final do dia as pessoas se reuniam nos cafés para conversar e descontrair, do tempo em que as crianças brincavam nas ruas, quando não existiam telemóveis e redes sociais. Sou do tempo em que as pessoas nos atendiam com sorrisos.

  O que quero no fundo dizer é que existem fatores culturais, é um facto, mas… estarão os portugueses a perder completamente a sua sanidade, o seu bem-estar, o seu equilíbrio? Não vejo qualidade de vida, não vejo sorrisos ou felicidade estampada nesses rostos com quem me cruzei. Talvez Lisboa seja diferente do resto do país… ou talvez não.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Crónicas Mais Lidas

loading...
To Top