Últimas Crónicas

Quando a morte nos leva amor

loading...

Quando ainda era adolescente a morte era algo distante, a minha família que me viu crescer estava toda viva e eu novo, pensava que iria fintar a morte. Quando o meu avô materno faleceu, foi a primeira vez que pensei seriamente na morte, foi quando escrevi: Antes de nascer não sabemos onde estávamos, quando morremos não sabemos para onde vamos, ou seja, só pode ser o voltar a casa. Era uma forma bonita de eu ver as coisas, aonde não há beleza nenhuma! A morte já me levou tanto amor… a verdade é que a gente morre um pouco em cada morte de uma pessoa que amamos, até que nós próprios morremos também! Muita gente não acredita na morte pura como a julgamos conhecer, escrevo julgamos porque dali não vem nada, nenhum, olá! Sabemos pouco ou nada sobre a morte e quanto mais sabemos, mais a vida e a morte se confundem um pouco, mostrando também que no fundo ainda pouco conhecemos da vida. Quanto mais a ciência avança mais dificuldade ela tem em declara um corpo morto, mas a verdade é que parece haver uma linha entre a vida e a morte, seja lá o que signifique o estar morto! Na semana passada morreu minha tia e para mim significa apenas de que ela não está aqui! Há umas semanas atrás, sentia os seus barulhos, o chamar por mim e agora, existe apenas este silêncio tão profundo que abafa todo o barulho em volta. Para os religiosos há sempre vida para lá da morte, como o famoso paraíso. Já que quem leu a Bíblia sabe que nela não vem nada sobre o inferno, que senão me engano foi descrito por Dante na “A Divina comédia” pela primeira vez, julgo também haver algumas referencias na mitologia, como Hades da mitologia grega, é o Deus do mundo inferior e dos mortos. Mas Dante que criou o inferno como os religiosos o vêem hoje! Há quem acredite na reencarnação, outros que os mortos dormem até vir o juízo final e ai os justos viveram para sempre os injustos terão a morte eterna. Para mim a morte é uma perda, para quem vai e para quem fica, o resto vai do crer de cada um! Será tão valida como a minha opinião, já que ninguém poderá provar quem tem razão. Mas a morte assusta qualquer pessoa! As vezes me pergunto se há um Deus que tem um paraíso a nossa espera, então porque nos custa tanto morrer? Vejo como um corpo se agarra a vida com toda as suas forças, as vezes com verdadeiros milagres! O que está para lá que assusta tanto a nossa alma, o nosso corpo? Saberá ele algo que nós não sabemos? Estará o nosso ADN na posse de informações por nós desconhecidas? Acredito que sim! É nele que está a resposta e talvez a vida eterna…

A verdade é que perdi a minha tia e pareço um garoto a procura de algo que perdeu numa esquina, neste caso foi num segundo, basta um segundo para se morrer… para mim foi sempre umas das minhas três mães que me acompanhou até aos meus 47 anos, foi um privilegiado ter conhecido uma pessoa que fez tudo por mim e mais privilegiado tê-la comigo até aos 47 anos, mas sou egoísta e ainda não estava preparado para viver sem ela e bem cá no fundo de mim, sei que vou morrer sem estar preparado para viver sem ela, nunca estarei… não sou daqueles que quando alguém morre era prefeito, minha tia nunca foi perfeita, tinha muitos defeitos de que eu não gostava mesmo nada! Eu também os tenho e gostava dela, fazia tudo por um sorriso meu… quantos estão dispostos a isso? Muito poucos, cada vez menos…

Sei que a minha tia nunca será uma estrela, porque as estrelas não são feitas de pessoas. Nem sei se terá um lugar nesse céu do Deus que ela tanto amava… mas foi das almas mais belas que conheci… obrigado tia por teres tido esses defeitos todos, por teres tido tanto amor para me dar…

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Crónicas Mais Lidas

loading...
To Top